quinta-feira, 2 de julho de 2020

CONTA GOTAS

CONTA GOTAS

 Por: William Vicente Borges
Conta beijos
sem conta
Conta abraços
sem conta
Conta declarações
sem conta
Conta gotas
de puro carinho
Só não me pedi
para contar
o quanto te amo
Pois de tanto
te amar sem conta
já perdi a conta
................
Verão de 2010

quarta-feira, 18 de março de 2020

HOJE EU ACORDEI PRECISANDO DE VOCÊ


HOJE EU ACORDEI PRECISANDO DE VOCÊ
Hoje eu acordei precisando de você, precisando olhar para teu corpo sempre radiante ao amanhecer. Precisando tocar-te levemente sem te acordar, apenas deslizar meus dedos suavemente sobre ele, e ver você ajeitar o edredom por cima dos ombros. E depois ficar olhando pela janela os primeiros raios tímidos de sol entrar em nosso ninho de felicidade. Sentar-me na cama, e aspirar ao seu perfume que impregna o ambiente e soltar um gemido sussurrado de contentamento.
Hoje eu acordei precisando de você, precisando mais do que nunca do calor do teu corpo nu, encostado ao meu que diz que sempre está frio, eu sempre pensando como meu corpo pode estar frio já que meu coração arde em paixão? Teu corpo está sempre em chamas, chamas que não me chamuscam, mas que com certeza me inflamam, que alimentam minha alma apaixonada ainda com mais paixão. Do que mais um homem precisa para ser feliz
?
Hoje eu acordei precisando de você, precisando de ficar te olhando, ainda dormir, ficar imaginando os teus sonhos, sempre povoados de afetos, que teus sonhos construam ainda mais imagens de nossos amores. Pena, não conseguir invadir a tua mente e assim desvendar os mistérios do seu inconsciente que sei, idealizou um amor pra toda vida, idealizou um homem, idealizou uma vida de alegria, enfim que me idealizou.
Hoje eu acordei precisando de você, precisando mexer em teus cabelos, desgrenhados ao amanhecer, mais continuamente lindos, continuamente brilhantes, continuamente meus. Cabelos que mais parecem de um anjo celestiais depois de devidamente pintados por Deus. Como é bom tocá-los, como é bom emaranhar-me neles sem ter pressa de desemaranhar. Como é maravilhoso cheirá-los e devanear.
Hoje eu acordei precisando de você, precisando apenas saber que está aqui, que depois de tudo o que passamos para sermos um do outro, você está aqui, dizendo que me ama, cuidando de ser meu sol, de ser minha lua, de ser meu tudo. Eu podendo dizer-te te amo a cada minuto, podendo finalmente amar-te, abraçar-te, ter-te.
Hoje eu acordei precisando de você, precisando de, no exato momento em que abrir os olhos, lhe dizer tudo o que um homem poderia dizer a mulher que ele ama mais que a própria vida. Podendo olhar dentro dos seus olhos e me ver neles, e você olhar nos meus e se ver neles. Podendo mergulhar meu abraço no teu abraço, mergulhar meu beijo no teu beijo, mergulhar meu amor no teu amor.
Hoje eu acordei precisando de você, e enquanto pensava tudo isso, você acordou, virou-se e quando me viu ficou sorrindo pra mim e envolveu-me num doce abraço. Então entendi perfeitamente porque hoje, porque ontem, e porque amanhã sempre acordo e acordarei precisando muito de você.
Hoje eu acordei precisando de você, e que bom que estavas aqui, comigo.
(Um poema de William  Vicente Borges)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

QUANDO A BOCA NÃO FALA

QUANDO A BOCA NÃO FALA
De: William Vicente Borges

Quando a boca não fala
É por que o coração está vazio.

Quando a boca não fala:
Eu amo você!
É por que o amor acabou
E então outras palavras tomam o lugar.

Quando a boca não fala:
Eu te abençoo!
È por que a maldição
Tomou o lugar do coração endurecido.

Quando a boca não fala:
Eu te perdoo!
É por que o rancor
Já se tornou um câncer na alma ferida.

Quando a boca não fala nada.
Então tudo virou vácuo
Nada mais importa de verdade
E o silêncio então é grito.

Quando a boca não fala
É por que o coração ficou vazio.
A vida perdeu o sabor
E falar só aperta mais
O nó na garganta.

Então por mais estranho que possa parecer
Precisamos escutar mais o outro
Quando a sua  boca parar de falar.


....

terça-feira, 15 de julho de 2014

AVENIDA DA SAUDADE

AVENIDA DA SAUDADE
De: William Vicente Borges

Pirotecnizando a avenida da saudade
Que de tão atroz é tão saudade
Que de tão infinita, Nunca acaba.
Avenida com ladeiras íngremes onde
Cada passo revela mais do que esconde.
Apercebo-me que vou definhando como
Lenha na fogueira das festas medievas.

Como não me dei conta dos contos
Que não escrevi no coração
Mas que foram impressos pela prensa
Dos momentos que achei bem vividos
Mas que na verdade eram mal entendidos
E quem me dera poder não me arrepender agora.

 Esta avenida me arrepia a cada passo
Não quero que me sigam pensamentos
Que a muito foram banidos de uma alma
Ferida e que agora vejo mal curada.
O presente passa por mim e parece
Não me acompanhar, anda em descompasso.
Mas não vou me atrasar para vida,
De jeito nenhum.

E neste show de visões e revelações
Da mente sã e do coração teimoso
Caminho, sem correr. Agora não posso mais.
E os que andam ao meu lado parecem
Ver-me em câmera lenta. Mas não.
Sou Apenas caminhante pensante seguindo
Em frente sem querer chorar mais. E não vou.

A avenida tem fim sim. Agora vejo. Não a saudade.
Ela cresce com o revoar do pássaro azul
Que acompanha a jornada sem cantar
Apenas observa aonde tudo vai parar.
Mas eu já sei. Tudo está escrito no livro.
Quem me deu o primeiro empurrão
Na avenida sabe até aonde irá me levar.

Então saudade vem comigo. Sem problemas.
Sou eu que te faço companhia. Sou eu que
Na verdade dito a passada e não você.
Sou eu que domino sobre ti. Atribulada!
Meus sorrisos continuam minha alegria
De caminhar é maior que seu desdém.

Então. Contente-se em me ver feliz.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

ORAÇÃO AO PAI CELESTIAL

ORAÇÃO AO PAI CELESTIAL
De: William Vicente Borges

Pai Celestial
Neste momento
Em que o peito dói
De dou graças
Pelos anos afio
Em que ele não doeu.

Mas se ele dói agora
Não posso ignorar
Só posso orar para
Que ela passe logo
Para não mais voltar.
Dói muito esta dor.

È a dor no peito
Que sempre carrega
Muitas dores juntas.
Dores dos tempos,
Dores dos sentimentos,
Dores das perdas
Dores que se juntam.

Pai Celestial
Neste momento
Em que o peito dói
De dou graças
Pelos anos afio
De coração batendo
De alma ardendo.

Rogo-te Pai Celestial
Pelo sossego da calma
Pelo sorriso da vida
Pela certeza incontida
Do sorriso do amanhã
Que demora a chegar.


quarta-feira, 11 de junho de 2014

PÉTALAS

PÉTALAS

Quando foi que simples pétalas de rosas
se tornaram um Rico Tesouro ?
Foi no dia em que elas estiveram em suas mãos.

Quando foi que simples pétalas de rosas mudaram
Uma Existência ?

Foi quando as vi contrastando com sua emoção.

Quando foi que uma pétala rosa, outra vermelha
e outra amarela se tornaram Essenciais?

Foi quando você as guardou para o sempre de uma
história de amor sem fim.

Quando levas-te as pétalas as rosas choraram de saudade.
Quanto a mim, apenas fiquei com as rosas, mas
transbordando de felicidade.

Eram apenas três pétalas três rosas, eu e você.


AS ROSAS MORRERAM
AS PÉTALAS ENVELHECERAM.
MAS DEPOIS DE TANTO TEMPO:
ESTAMOS JUNTOS: EU E VOCÊ !


Quando foi que estas pétalas se tornaram
Assim tão Fundamentais?

Foi no dia em que as dei de presente A VOCÊ !


(Poesia de : William Vicente Borges)